Papa no Angelus neste domingo, 22 de outubro

Papa no Angelus: Somos do Senhor, não pertencemos a nenhum "César" de turno

“Dai pois a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus”: este versículo do Evangelho deste 29º Domingo do Tempo Comum inspirou a reflexão do Papa no Angelus dominical.

 

Diante de milhares de fiéis reunidos na Praça São Pedro, Francisco comentou o episódio extraído de São Mateus, que narra a cilada que alguns fariseus e herodianos armam contra Jesus. Vão até Ele e lhe perguntam: "É lícito ou não pagar imposto a César?".

 

"É uma farsa", explica o Pontífice. Pois se Jesus legitimar o imposto, coloca-se da parte de um poder político pouco tolerado pelo povo, enquanto se disser para não pagá-lo, pode ser acusado de rebelião contra o império.  O Mestre, porém, foge desta trapaça. Pede que lhe mostrem uma moeda, que traz impressa a imagem de César, e lhes diz: "Dai pois a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus" (v. 21).

 

Essas palavras de Jesus se tornaram de uso comum, prossegue o Papa, mas às vezes foram utilizadas de modo errôneo para falar das relações entre Igreja e Estado. Jesus não quer separar “César” e “Deus”, ou seja, a realidade terrena e daquela espiritual.

 

"Às vezes, também nós pensamos assim: uma coisa é a fé com as suas práticas e outra coisa é a vida de todos os dias. Não. Esta é uma 'esquizofrenia', como se a fé não tivesse nada a ver com a vida concreta, com os desafios da sociedade, com a justiça social, com a política e assim por diante."

 

Na realidade, Jesus dá a César e Deus sua devida importância. A César – isto é, à política, às instituições civis, aos processos sociais e econômicos – pertence o cuidado com a ordem terrena e os cidadãos contribuem promovendo o direito, a justiça e pagando honestamente os impostos. Mas a Deus pertence o homem, todo o homem e todo ser humano.

 

“Isso significa que nós não pertencemos a nenhuma realidade terrena, a nenhum 'César' de turno. Somos do Senhor e não devemos ser escravos de nenhum poder mundano. Sobre a moeda, portanto, há a imagem do imperador, mas Jesus nos recorda que na nossa vida está impressa a imagem de Deus, que nada e ninguém pode obscurecer. A César pertencem as coisas do mundo, mas o homem e o próprio mundo pertencem a Deus: não o esqueçamos!”

 

Francisco então dirige algumas perguntas aos fiéis: "Sobre a moeda deste mundo está a imagem de César, mas você, que imagem leva dentro de si? De quem você é imagem na sua vida? Nós nos lembramos de pertencer ao Senhor ou nos deixamos plasmar pelas lógicas do mundo e fazemos do trabalho, da política e do dinheiro os nossos ídolos a adorar?"

 

E concluiu fazendo votos de que a Virgem Santa nos ajude a reconhecer e honrar a nossa dignidade e a de cada ser humano.

 

(Fonte: Bianca Fraccalvieri - Vatican News)

Outras Notícias

Francisco: com o “pão do amor”, reconstruir o que o ódio destrói

Ao falar sobre o agradecimento, o Santo Padre sublinhou que “a palavra Eucaristia quer precisamente dizer obrigado”. ...

Chuvas alertam para cuidado com a "casa comum", diz presidente da CNBB

Da janela daCúria Metropolitana, sede administrativa da Arquidiocese de Porto Alegre (RS),o arcebispo dom Jaime Speng...

Papa Francisco: a exemplo de Jesus, afastar-se da maldade e se aproximar de quem sofre

Na alocução que precedeu a oração mariana do Regina Caeli deste domingo (12/05), o Papa Francisco refletiu sobre o Ev...

Papa Francisco: quantas lágrimas ainda escorrem pela face de Deus em nosso mundo!

“A reparação é totalmente manifestada no sacrifício da cruz. A novidade aqui é que ele revela a misericórdia do Senho...