Fã de Belchior, menino de 13 anos ajuda mãe a vender cuscuz e recebe apoio na internet

 Fã de Belchior, menino de 13 anos ajuda mãe a vender cuscuz e recebe apoio na internet

Imagem: Acervo Pessoal

Para contribuir com o trabalho da mãe, o garoto ajuda na “Cuscuz da Mãe do Isaac”, ideia que começou há pouco menos de 15 dias, mas que já movimentou a internet. Na última sexta-feira, 26, o garoto, sempre animado e presente nas redes sociais, foi surpreendido com mensagens racistas após colocar uma “caixa de perguntas” em seu perfil do Instagram.

“E vou viver as coisas novas, que também são boas. O amor, humor das praças cheias de pessoas. Agora eu quero tudo, tudo outra vez”. O trecho melancólico e esperançoso de “Tudo Outra Vez”, eternizada por Belchior, é a canção preferida de Isaac Viana, menino cheio de vida e boas palavras que há cinco anos vive em Tianguá, no Ceará. Com 13 anos, e a poucos meses de completar 14, o baiano é o mais velho de cinco irmãos e vive sob a asa de dona Benedita Santos.

Para contribuir com o trabalho da mãe, o garoto ajuda com o “Cuscuz da Mãe do Isaac”, ideia que começou há pouco menos de 15 dias, mas que já movimentou a internet. Na última sexta-feira, 26, o garoto, sempre animado e presente nas redes sociais, foi surpreendido com mensagens racistas após colocar uma “caixa de perguntas” em seu perfil do Instagram. Segundo Isaac e dona Benedita, é a primeira vez que um ataque racista acontecia em relação a ele pela internet. Após repercussão, artistas como Edmilson Filho, Netinho e Rodrigo França enviaram mensagens de apoio para o garoto que, claro, não se deixou abalar.

Ainda presente nas redes sociais, o menino ressalta que mal pode esperar pelo aniversário, pois, além do tradicional café da manhã na cama promovido pela família, poderá mudar oficialmente o nome da venda para “Cuscuz do Isaac”. Com quatro opções de sabores – inclusive o seu preferido, com calabresa -, o garoto esclarece que as vendas andam muito bem, e que, só neste domingo, 28, a família já havia vendido nove porções.

Amante da cozinha, das palavras e, como gosta de ressaltar, do sujeito de sorte Belchior, Isaac explica que também adora escrever e ler, e que utiliza as redes sociais para divulgar seus poemas. “Tenho um caderno de poemas. Gosto de escrever sobre as pessoas, o mundo, sobre a vida. Não tenho a menor ideia do que vou ser quando crescer, mas como eu tenho bastante tempo pra pensar, quando crescer eu vou ser”, declara o garoto, que além do Ceará já morou em Minas Gerais e no Rio de Janeiro.

E sobre o amor pelo cantor Belchior, a admiração vai além da voz e alcança as palavras. Admirado, Isaac diz que sonha em ser como o cantor. “Acho que eu tenho uma conexão porque eu quero ser que nem ele, uma pessoa pensante, esperta, que sabe falar”. “Tudo Outra Vez”, canção de Belchior, faz inclusive alusão à saudade de Isaac pelo Ceará, quando estava no Rio de Janeiro, da mesma forma que o artista.

“Ele tem muito amor pelas pessoas, pelas causas, com a causa gay, da mulher… Ele defende muito os direitos das mulheres. Ele tem textos falando sobre de onde que tiraram que a mulher é do sexo frágil. Ele fala sobre o direito de ir e vir, é muito observador da vida, e defensor dos direitos, dos animais. Ele é diferenciado, muita coisa eu orientei, mas as coisas são da essência dele, ele nasceu desse jeito”, ressalta, com carinho, dona Benedita, mãe e a cozinheira por trás da venda do cuscuz.

E amor de fato é de sobra, visto que o coração do baiano tem espaço para inclusive dois times de futebol, já que o garoto é torcedor do Flamengo e do Ceará. E o coração grande de Isaac vai para além do esporte. “Amo muito a vida. Amo a minha família, a minha mãe e gosto muito de ouvir música do Fagner, Belchior, Alceu Valença e Luiz Gonzaga. Gosto bastante de ler. Tanto que meu próprio face, se uma pessoa quiser me doar livros, eu vou aceitar com todo prazer”.

Fonte: O Povo Online

Manuel Clarind