Presidente da Fecomércio, Maurício Filizola diz que expectativa é “positiva” para o retorno e garante que setor já adquiriu expertise no funcionamento de acordo com os protocolos de segurança sanitária.

 

Imagem: Thiago Gadelha/Sistema Verdes Mares

 

A partir desta segunda-feira (12), comércios e serviços estão autorizados a retomar atividades no Ceará, desde que respeitando os limites de capacidade de atendimento e os controles de horário previstos no decreto governamental divulgado no último sábado (10).

 

O presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Ceará (Fecomércio), Maurício Filizola afirma que a reabertura gradual envolve todas as atividades econômicas formais, como, por exemplo, salões de beleza, barbearias, restaurantes, empresas de telecomunicações, lojas de conveniência e de qualquer tipo, mas que não entram nesse escopo “comércios informais e de outras práticas”.

 

No parágrafo 4 do artigo 7 do decreto, o Governo destaca, porém, que permanece proibido o funcionamento de academias, parques aquáticos, barracas de praia, cinemas, museus e teatros, sejam públicos ou privados. Espaços públicos também seguem fechados. Isso porque, apesar da reabertura, os números de casos e óbitos por Covid-19 no Estado seguem alarmantes.

 

HORÁRIO ALTERNATIVO PARA O INTERIOR

Em atendimento a solicitações do setor empresarial, novo decreto publicado neste domingo (11) possibilitou horário alternativo para os comércios e serviços no Interior do Estado, que podem optar por funcionar das 7h às 13h.

 

“Tínhamos solicitado [ao Governo] essa diferenciação porque a área empresarial já tinha nos pontuado de que o atendimento, principalmente, nas cidades do Interior do estado, para o comércio, é pela manhã”, compartilhou Filizola.

 

De acordo com o representante do setor empresarial, essa diferenciação deve otimizar os trabalhos de fiscalização da obediência às regras sanitárias por parte dos municípios. “Queremos contribuir com a saúde e com a economia, esse é nosso papel”.

 

AGENDAMENTO

Compreendendo que o setor teve, pelo menos, oito meses para se adaptar à nova realidade pandêmica, Filizola acredita que as empresas já estejam melhor preparadas para retomar gradualmente suas atividades neste momento. Contudo, ele ressalta que a baixa capacidade de atendimento pode gerar transtornos como filas de clientes e consequentes aglomerações.

 

“Pedimos aos clientes que procurem horários propícios [para ir aos locais] e só se desloquem nas suas necessidades, para que a gente possa estar, também, contribuindo para a saúde pública”, orienta o presidente da Fecomércio.

 

Uma das formas de contribuir para esse retorno seguro às atividades econômicas, segundo Filizola, é aderir aos agendamentos. “Já é uma prática. E nós incentivamos que [as empresas] continuem com esse formato, porque acaba fazendo com que o atendimento seja bem executado e de benefício para o cliente que deseja o serviço ou a compra de produtos”, diz.

 

PREVENÇÃO

Outro ponto reforçado por Filizola é que as empresas cumpram os protocolos internos e governamentais de prevenção à Covid-19 e prestem o devido cuidado aos seus funcionários. “É ter paciência. Em uma semana, vamos verificar a evolução disso [do plano de retomada gradual] e trabalhar para que a gente possa ter nossa plenitude de trabalho”, tranquilizou.

 

Dito isso, o presidente concluiu que a expectativa para a reabertura nesta segunda-feira (12) é positiva e lembrou que “cada um dos entes que estão na sociedade tem seu papel. Nós [do comércio] temos o papel de incentivar a economia, gerar emprego e renda e sermos responsáveis, inclusive, pela arrecadação que vai para o Estado”.

 

OUTRAS DETERMINAÇÕES DO GOVERNO

Além da reabertura gradual do comércio e serviço, o decreto governamental determina que todo o Estado adote toque de recolher diário, das 20h às 5h, e lockdown aos fins de semana.

 

Ainda conforme o documento, espaços públicos devem permanecer fechados e igrejas podem funcionar apenas com 10% da capacidade. As aulas presenciais foram liberadas para crianças de quatro e cinco de idade, que cursam a educação infantil, e para o 1º e o 2º ano do ensino fundamental, desde que em respeito ao limite de 35% da capacidade.

 

VEJA O QUE MUDA A PARTIR DESTA SEGUNDA (12)

  • O Ceará continuará em isolamento social, com toque de recolher todos os dias das 20h às 5h;
  • Em Fortaleza, comércio de rua e serviços, como restaurantes*, funcionarão das 10h às 16h, com 25% de capacidade de atendimento**;
  • No Interior, comércio de rua e serviços podem optar por funcionar entre 7h e 13h;
  • Shoppings, incluindo praça de alimentação, funcionarão das 12h às 18h, com limitação de 25% da capacidade;
  • Construção civil deve iniciar as atividades a partir das 8h;
  • O isolamento social rígido, ou lockdown, será mantido aos fins de semana, funcionando apenas as atividades essenciais;
  • Passarão a ser liberadas gradualmente algumas atividades comerciais e de serviços com 25% da capacidade, seguindo rigorosamente todos os protocolos sanitários estabelecidos pelo decreto;
  • Na educação, o ensino infantil, que estava liberado até os 3 anos, será ampliado, permitindo atividades presenciais para crianças de 4 e 5 anos, além do 1º e 2º ano do ensino fundamental, com 35% da capacidade;
  • As igrejas estarão autorizadas a receber no máximo 10% da sua capacidade. Segue recomendação para que celebrações sejam virtuais;
  • Algumas atividades continuarão sem liberação para avaliação do comitê;
  • Permanecem fechados: academias, parques aquáticos, barracas de praia, cinemas, museus e teatros, públicos ou privados;
  • Espaços públicos também permanecem fechados.

*Os restaurantes de hotéis, pousadas e congêneres poderão funcionar, de segunda a sexta-feira, das 16h às 20h, bem como aos sábados e domingos, desde que exclusivamente para o atendimento de hóspedes, identificados física e individualmente, cabendo aos hotéis a responsabilidade pelo controle.

Fonte: Diário do Nordeste.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *